quarta-feira, 22 de agosto de 2012

A Feiura dos Tempos de Beleza




No tempo das belezas
Prezam-se os corpos,
Idolatra-se o material
Que enche os olhos.

No tempo de beleza,
A beleza do tempo se perde
Em cada  volta  do ponteiro
Desse seu relógio.

Nos tempos da beleza,
Há carne, há desejo
Há amor
Só em janeiros.

Tudo porque o amor é brega,
é piegas,
é sorrateiro.

Nos tempos das belezas,
Amar
É feio.






2 comentários:

Marcelo R. Rezende disse...

Gênio.
É de concordar em todas os graus possíveis.

Beijo, saudade de te ler.

Tracy Ellen disse...

E que pena amar ficou feio. Amei.